Dúvidas e Dicas

Esta seção é composta de dúvidas de nossos alunos enviadas a nós através dos anos, desde 2003, o início do funcionamento do Grupo Mera, e nossas respostas.

O intuito dessa nova seção é ajudar outros estudantes de Um Curso em Milagres com dúvidas parecidas para que possam caminhar de forma cada vez mais suave, pacífica e confiante de volta para Casa.

Paz e Luz!


Grupo Mera

 

PARA LER A EXPLICAÇÃO, CLIQUE NA DÚVIDA.

 

FAQs - Dúvidas e Dicas

Grupo Mera: Não há muito o que "interpretar" em sonhos. O mistério que sempre impusemos a eles não tem muito sentido porque eles são apenas representações do conteúdo inconsciente. Mas podem ser guiados pelo Espírito Santo/Jesus, se não enquanto os estamos sonhando dormindo, pelo menos quando acordamos e pedimos Sua ajuda.  Você sempre poderá "ver", como você disse, que tem o dedo de Jesus/Espírito Santo em tudo... Você não está ficando louca (risos). Quando pedimos que Ele nos guie, Ele não interfere na forma, nas situações, mas reinterpreta todas as coisas para nós.

Lembre-se: nosso estado viciado (automatizado) mental é sempre em relação à escassez, falta, sacrifício, etc., que são os nomes que damos ao medo do abandono de Deus. E é assim, exatamente igual, com do resto da humanidade, mesmo com aqueles que parecem estar em maior abundância (financeira, de saúde ou qualquer outra coisa).

Todos nós, que nos identificamos com o ego (um ser com um corpo mais uma personalidade) trazemos a sensação de escassez e sacrifício, se não em uma área, em outra, mas ninguém escapa do sentido de achar-se limitado frente aos problemas. Limite e impotência têm base na escassez.

O estado "de unicidade" que você descreveu e que dura apenas segundo, também é igual pra todos... No entanto, a consciência desses estados, que são um reflexo da Realidade, é que vai fazendo com que eles fiquem mais e mais frequentes/presentes.

Grupo Mera: Todas essas observações já são um grande passo.  Mas, vamos organizar as ideias para que você aproveite mais ainda esses seus insights:

1- Não existe uma forma perfeita de se executar esses exercícios nem tampouco os do Curso propriamente dito. O primeiro grande ganho com essa prática está em você observar a sua resistência, assim como você fez. O segundo passo será lembrar-se, com gentileza, de que você age conforme aprendeu e, aos poucos, com paciência e benignidade, vai treinar de outra forma. Brigar com sua mente nunca é sábio.

2 - Entenda e aceite que sua mente ainda está no automático e que, a cada observação (percepção disso) você está necessariamente treinando de outra forma, mesmo que aparentemente isso não esteja acontecendo.

Cobrar-nos constantemente por qualquer coisa é mais uma das artimanhas do ego para nos manter aprisionados no mesmo círculo vicioso de pensamentos, impedindo-nos de nos voltarmos para dentro que é onde o verdadeiro trabalho de libertação acontece.

Grupo Mera: Pensamentos de ataque são todos os pensamentos não benignos ou não amorosos, que são dirigidos aos outros e a nós mesmos – e aí se incluem o mais leve aborrecimento, contrariedade, crítica, julgamento, etc. O ego está sempre nos enganando, querendo que pensemos que nossas críticas e condenações são “opiniões certas”.

Lembrando, para o Curso, pensar ou agir são a mesma coisa. Então, assim que tomamos consciência de que agimos (ou pensamos) condenando alguém, será sábio darmos um passo para trás, pedindo ajuda para o Espírito Santo ou Jesus, entregando os eventos para que Ele os resolva e nos traga a Sua visão sobre tudo. Sem essa ajuda, corremos o risco de condenarmos e punirmos a nós mesmos, o que, para o Curso, será o mesmo movimento: condenar a nós mesmos ou às outras pessoas. Atacar o ego não resultaria em nada além de torná-lo muito real pra nós... Nossa melhor performance “contra” ele é nos juntarmos a Jesus ou Espírito Santo e aprendermos o Seu perdão.

Será uma boa estratégia, sempre, colocar algo importante de se lembrar em vários lugares. A cada vez que nos lembramos de uma ideia coerente, um ponto de memória para essa ideia é formado.

Grupo Mera: Ficamos felizes e gratos com seus comentários sobre a importância dos módulos. Nossa intenção é sempre contribuir para facilitar um pouco a compreensão dos conceitos de UCEM porque sabemos, por experiência própria, o impacto imenso que tudo isso vai tendo sobre nós conforme avançamos.

Sim, o que vemos nos outros, inevitavelmente vimos em nós primeiro, e a tendência da maioria é intelectualizar o Curso, porque essa é uma manobra muito inteligente do ego para não absorvermos realmente seu conteúdo.

Por mais difícil que possa ser, devemos sempre voltar à introdução do livro de exercícios, onde ele diz “Lembra-te apenas disso: não precisas acreditar nas ideias, não precisas aceitá-las e não precisas nem mesmo acolhê-las bem. A algumas delas podes resistir ativamente. Nada disso importará ou diminuirá a sua eficácia. Mas não te permitas fazer exceções ao aplicar as ideias contidas no livro de exercícios e, quaisquer que sejam as tuas reações às ideias, usa-as. Nada mais do que isso é requerido”.

Confie em Jesus quando diz que com a prática e o correr das lições, tudo vai se encaixando perfeitamente nos devidos lugares.

Uma das coisas mais “insultantes” e “ultrajantes” para o nosso ego é quando Jesus diz “Ainda estás convencido de que a tua compreensão é uma contribuição poderosa para a verdade e faz dela o que ela é.” (T-18.IV.7:5)

Mas não se preocupe com a necessidade de compreender as minúcias dos significados das lições. Aprenda a observar suas resistências, apenas isso.

Minha sugestão é que você anote em algum lugar suas impressões sobre as lições, suas dúvidas e dificuldades, e, claro, também seus insights e vitórias sobre o autoperdão (estar leve) diante dessas observações sobre si mesmo. Isso poderá ser muito útil quando você já estiver olhando para o mundo “de outra forma”.

Ainda, quanto a esta sua indagação “E por que ficaria transtornado quando vejo coisas boas no mundo?” pensemos juntos: se aceitamos as coisas boas do mundo como reais, necessariamente aceitamos que as ruins também o são. Todo o mundo das formas faz parte do sonho – as partes boas e as ruins. Não podemos separá-las, uma só “existe” se a outra também “existir”. É por isso que manter pensamentos positivos não nos trará paz, pelo menos não a paz inabalável que o Curso propõe. Essa paz só pode vir da aceitação (que é conseguida aos poucos, com treino) sobre o mundo real não ser dualístico, e sobre a aceitação de que estamos sendo guiados pelo Professor que Deus nos enviou para que encontremos o caminho de volta ao mundo real e, então, de volta para Casa, em Deus.

Grupo Mera: Sim, essas experiências são difíceis de explicar, mas vão se tornando cada vez mais nítidas e presentes em nossas vidas! Isso já é recompensa suficiente para todos os desafios que enfrentamos. Não é fácil mesmo não, mas é possível. E, mantendo-nos em linha com esses ensinamentos, vamos nos libertando cada vez mais – isso é inevitável. Esta palavra poderosa traz muita serenidade quando conseguimos sentir essa verdade profundamente dentro de nós.

Fico feliz que a mensagem a ajude. Ela é muito poderosa, no sentido de nos lembrar de Quem realmente somos. Lembrando da Verdade, o que poderia “ameaçar-nos”?

Grupo Mera: Todos temos medo! Para nós, o Céu e a Verdade são ideias desconhecidas porque não conseguimos nos lembrar de como era antes de cairmos nesse “sono pesado”. Temos medo da dissolução, do nada, da perda da nossa identidade individual, a qual prezamos tanto...

Continue pedindo ajuda a Jesus, ao Espírito Santo, sabendo que a sua pequena disponibilidade para aceitar essa ajuda é tudo o que Eles precisam para fazê-lo entender que seus medos não possuem fundamento, já que todos eles representam o medo que temos de Deus.

Grupo Mera: Não há um processo rígido a ser seguido – rigidez também é armadilha do ego. O que o Curso nos pede é para entregarmos todos os nossos pensamentos equivocados a Jesus ou ao Espírito Santo. Este, Espírito Santo, é a ideia abstrata da Voz por Deus em nós. Jesus, a manifestação da Voz.

No texto Jesus diz que podemos ficar mais próximos dele e que essa proximidade pode nos trazer mais confiança, que vamos senti-lo nos guiando como nosso irmão mais velho. A intimidade conquistada com ele, ou com o termo “Espírito Santo” é de cada um. Cada pessoa se sente mais confortável com um dos símbolos: Jesus ou o Espírito Santo para praticar a entrega. Com o treino, vamos distinguindo cada vez melhor essa Voz e a percepção de quando estamos verdadeiramente entregando a Ele.

Grupo Mera: O pensamento de culpa que precisa ser corrigido é o pensamento de que atacamos Deus e nos separamos Dele, destruindo a Unicidade do Céu. Esse é o nível de correção ao qual o Curso quer que cheguemos. Não há por que nos sentirmos culpados por nada que parece acontecer neste mundo, porque nada disso é real.

Claro que isso não significa sairmos por aí fazendo todo tipo de loucura, mas entendermos que qualquer erro que tenhamos cometido faz parte da mesma ilusão e, portanto, pode ser usado como uma lição para aprendermos o perdão. Fazer algo contra nós mesmos ou outras pessoas, mesmo sendo dentro do mundo ilusório, só serviria para manter e nutrir a culpa inconsciente.

Também é útil lembrarmos sempre de que cada um faz o melhor que pode, com o nível de consciência que tem no momento, e de que isso necessariamente vale para nós mesmos. No entanto, o Curso não quer dizer que não devamos fazer as correções necessárias no mundo. Essas correções serão feitas na forma, mas com o coração em paz enquanto lembramos de que tudo isso (erro e correção) é parte do sonho, portanto, pode perfeitamente ser perdoado no nível mental.

Grupo Mera: Não apague suas anotações – a aparente desconexão das ideias pode ser muito útil.

Essa sua confusão é a mesma com que todos, em uma ou outra fase nos estudos, se deparam.

O seu corpo não contém a mente. A mente única está sonhando que é muitas e projeta corpos para “concretizar/provar a verdade” da separação, desse sonho. Dessa forma, o seu próprio corpo é uma projeção. É por isso que tanto faz mantermos a condenação em nós mesmos ou em outra pessoa: a culpa é mantida.

A mente projeta a culpa, tanto faz que seja em você mesma ou em qualquer outra pessoa porque, como dito acima, só existe um Filho de Deus sonhando ser muitos.

O que o Curso nos pede é que olhemos para as formas de culpa dentro das nossas mentes. Ele não pede nunca que as consertemos ou que as modifiquemos, mas pede que passemos a ter consciência delas. Elas irão se desmanchando conforme as percebemos como “criações” nossas. Só a partir dessa conscientização é que podemos pedir ajuda ao Espírito Santo pra nos ensinar a ver de outra forma.

Novamente, nosso trabalho é olhar, junto com o Espírito Santo ou Jesus, para as coisas que temos feito com o ego sem nos condenarmos. Isso é bastante difícil e exige treino, mas precisamos olhar bem de frente para o fato de que fomos nós quem as fizemos. O trabalho de desfazer a crença na realidade da culpa é do Espírito Santo. Por isso podemos ficar mais leves “dentro” do que é a nossa parte – entregar e confiar.

Grupo Mera: A “vida” parece sempre nos trazer o melhor para o nosso currículo, para nos ajudar a liberar tudo aquilo que ainda estamos guardando dentro de nós.

Lembre-se, o fato de você se dispor a aproveitar a oportunidade e mergulhar profundamente nessa liberação, independe de você estar nesse relacionamento ou não.

Procure distanciar-se um pouco da situação, olhar mesmo “acima do campo de batalha”, para poder levar para a luz todos os pontos escuros dentro de você (essas memórias) ligados às suas experiências com seu ex-marido e até muito antes disso. Normalmente esses pontos escuros são padrões que carregamos conosco vida após vida, até que sejam totalmente curados.

Lembre-se de que você não é responsável pelo que parece estar acontecendo lá fora, mas sim pelas suas próprias reações a isso. Entretanto isso não quer dizer que você deva agir de uma forma “magnânima”, dizendo a você mesma que “uma pessoa espiritualista”, ou “uma estudante do Curso” não agiria assim ou assado. Seja fiel aos seus sentimentos, e procure discernir a oportunidade que tudo isso está lhe oferecendo agora.

Como sabemos, nenhum de nós tem garantia alguma neste mundo. Este é um mundo mutável, tem inúmeras situações destinadas a nos tirar do centro e a nos deixar ansiosos, deprimidos, agitados, etc., para que não olhemos para a questão central de Quem realmente somos.

Se você seguir em frente com o relacionamento e depois concluir que não quer nada disso, qual será o problema?

Acima de tudo, procure ter discernimento para perceber que tudo é parte da mesma ilusão. Se tivermos dentro de nós questões ligadas a sexo, ou seja o que for, tudo isso vem à tona para que consigamos, aos poucos, generalizar todos os ensinamentos que temos aprendido e praticado, entendendo que qualquer coisa, por mais horrível que pareça, também faz parte da mesma ilusão.

Isso quer dizer que devemos “fazer de conta” que não estamos vendo nada disso? Claro que não! Só você poderá saber o que é aceitável ou é compensador para você mesma, a cada passo.

Todas as dificuldades com os nossos parceiros de jornada pedem como resposta compaixão, a verdadeira empatia. Mas isso não quer dizer, necessariamente, convivência próxima com nossos “professores” que parecem estar fora de nós.

Não há uma “fórmula mágica” para esse discernimento para escolher entre todas as possibilidades. A única “fórmula” à qual podemos sempre insistir é: não olhe para nada disso sozinha nunca! Peça sempre para Jesus ou o Espírito Santo estarem ao seu lado a cada momento.